Entrevista com James Ravi, Diretor de Auditoria da Crowe Omã, sobre Desafios em uma Economia Pós-Pandemia

Entrevista com James Ravi, Diretor de Auditoria da Crowe Omã, sobre Desafios em uma Economia Pós-Pandemia

A pandemia de covid-19 afetou terrivelmente a vida em todo o mundo, e os negócios precisaram continuar em meio a muitas tendências perturbadoras. Isso inclui, mas não está limitado a: volatilidade do mercado financeiro, erosão de valores, deterioração do crédito, aperto de liquidez, redução dos níveis de produção devido à diminuição da demanda, dispensas e licenças.

Nesse cenário, as empresas terão que relatar suas operações, situação financeira e fluxos de caixa – e esses relatórios terão que ser auditados.

Esse contexto exerce enorme pressão sobre o mundo dos negócios e impõe uma série de desafios aos relatórios financeiros.

Alguns desafios significativos são discutidos a seguir.

Deficiências e Sensibilidade

Uma desaceleração econômica global para muitos setores é um evento desencadeador que requer testes de redução ao valor recuperável para quase todos os ativos. Um dos maiores desafios nesse sentido é o alto nível de incertezas e o impacto da determinação do valor em uso. Particularmente, projetar fluxos de caixa futuros é um grande desafio em tempos de incerteza crescente.

Com base na quantidade significativa de julgamento necessário para conduzir um teste de redução ao valor recuperável com um alto grau de incerteza, é imperativo ir além das divulgações exigidas para dar aos usuários das demonstrações financeiras mais insights e permitir que façam suas próprias avaliações sobre projeções futuras.

Nesse sentido, as informações são muito úteis. O IFRS (International Financial Reporting Standards) exige apenas a divulgação de Informações de Sensibilidade quando as possíveis mudanças razoáveis nos parâmetros de entrada levariam a uma redução no valor recuperável. Mas, em tempos de alto grau de incertezas, divulgar o “ponto de equilíbrio” pode ser muito útil para avaliar projeções futuras.

Julgamentos e estimativas materiais

As estimativas contábeis baseiam-se nas premissas de julgamento da entidade, que devem ser baseadas em uma interpretação razoável das condições ou eventos que são conhecidos ou reconhecíveis na data de mensuração. Em outras palavras, as premissas usadas por uma entidade em suas estimativas devem ser razoáveis e suportáveis.

Determinar o que constitui uma suposição razoável e suportável durante tempos de incerteza econômica requer que uma entidade exerça um julgamento profissional baseado em um processo de estimativa bem controlado e apoiado.

Uma série de suposições ou estimativas podem ser necessárias para mais de um propósito, como a previsão de receitas pode ser relevante para testes de redução ao valor recuperável e mensuração do valor justo.

Suposições consistentes devem ser usadas para todas as avaliações relevantes. Ao relatar em tempos incertos, é particularmente importante fornecer aos usuários das demonstrações financeiras uma visão adequada da resiliência da entidade.

Modificações de contrato

As mudanças na atividade econômica causadas pela pandemia farão com que muitas entidades renegociem os termos dos contratos e acordos existentes.

Os exemplos incluem contratos com clientes, acordos de compensação com funcionários, contratos de arrendamento, instalações bancárias e os termos de muitos ativos e passivos financeiros.

As entidades devem garantir que os requisitos relevantes das IFRS sejam cumpridos e devidamente aplicados.

Preocupação

Como resultado da Covid-19 e seus efeitos associados, as entidades precisam considerar se, em suas circunstâncias específicas, têm capacidade de continuar em operação por pelo menos, mas não se limitando a, 12 meses a partir da data do relatório. A avaliação da administração da capacidade da entidade de continuar em operação envolve fazer um julgamento, no final ano, sobre resultados, eventos ou condições futuras inerentemente incertas.

Isso exigirá a consideração da extensão da: interrupção operacional; potencial diminuição da demanda por produtos e serviços; obrigações contratuais vencidas ou antecipadas no prazo de um ano; potenciais deficiências de capital de giro, acesso a fontes existentes de capital, entre outras variáveis.

As entidades devem considerar cuidadosamente suas circunstâncias únicas e exposição ao risco ao analisar como os eventos recentes podem afetar suas demonstrações financeiras – especificamente divulgações que precisam transmitir os efeitos materiais da pandemia.

Caminho a seguir

A natureza sem precedentes dos eventos durante os dois últimos anos, com desenvolvimentos imprevisíveis, resulta em incertezas significativas que representam um desafio substancial para os relatórios financeiros. Além do impacto nos resultados anteriores, pode até levar à reconsideração da posição estratégica de muitos negócios e seus planos de negócios, resultando em maiores requisitos para ajustes de portfólio.

Garantir o acesso a capital, patrimônio líquido e dívidas suficientes é crucial para manter e fortalecer a posição de mercado nesse ambiente. Neste contexto, é do interesse das entidades empresariais fornecer informações suficientes e relevantes aos seus acionistas e outros utilizadores das informações financeiras.

Informações claras e transparentes sobre os efeitos generalizados – como a administração está respondendo a este grande desafio e a sua consideração e suposições sobre as incertezas – aumentarão a confiança dos investidores, credores e demais partes interessadas.

 

Fonte: Observer.